Salário mínimo a R$ 1.100 impacta teto de gastos em mais R$ 10,4 bi

© USP Imagens

O Congresso Nacional precisará acomodar dentro do teto de gastos públicos cerca de R$ 10,4 bilhões, resultado da correção do salário mínimo em janeiro último. A proposta orçamentária para 2021 (PLN 28/20) ainda está parada.

>>Governo prepara MP para reestruturar e reajustar o Bolsa Família

O governo sugeriu o Orçamento com um salário mínimo de R$ 1.067 neste ano, ante o valor de R$ 1.045 vigente em 2020. A Medida Provisória 1021/20 estabeleceu R$ 1.100. A diferença em relação ao ano anterior, que era de R$ 22, passou então a R$ 55.

A equipe econômica calculou que o aumento de R$ 1 no salário mínimo causará neste ano impacto líquido nos gastos de R$ 315,4 milhões. Essa conta considera a elevação das despesas e das receitas vinculadas ao valor do salário mínimo.

>>Empresa optante do Simples Nacional precisa renovar? Entenda o processo

Assim, o impacto líquido total, estimado antes em R$ 6,9 bilhões, deverá atingir R$ 17,3 bilhões. Gastos vinculados ao mínimo são em geral despesa obrigatória, logo a diferença de R$ 10,4 bilhões precisará ser acomodada dentro do teto.

Inflação

 O impacto do reajuste anual do salário mínimo é um dos pontos que merecerão atenção dos parlamentares na análise do Orçamento para 2021. Outros são os itens corrigidos pela inação, como as aposentadorias acima do piso nacional.

>>Resultado da pré-seleção do Fies já está disponível na internet

Existem benefícios abaixo e acima do mínimo. Nesses casos, a norma prevê correção anual por meio do INPC. Esse índice acumulou 5,45% em 2020, taxa superior à aplicada na MP 1021 – o governo usou previsão do mercado (5,26%).

Na semana passada, ao anunciar os números da dívida pública, o secretário do Tesouro Nacional, Bruno Funchal, disse que não está nos planos do governo editar nova MP para o salário mínimo. Eventuais ajustes cariam para 2022.

>>Seguro-desemprego pode pagar parcelas de até R$ 1.900 este ano; veja como calcular

Descasamento

A aplicação de diferentes índices de inação nas contas públicas afetará o próprio teto dos gastos. A regra prevê que o teto será corrigido no exercício seguinte pelo IPCA acumulado em 12 meses até julho. Para este ano, em 2,13%.

>>Saiba como ficam os valores das contribuições do INSS em 2021

Por outro lado, algumas despesas serão corrigidas pelo INPC em 5,45% – ante a previsão de 2,09% incluída no PLN 28/20. Como 0,1 ponto percentual impacta a despesa líquida em R$ 720,8 milhões, a diferença ultrapassará R$ 24,2 bilhões.

Fonte: Agência Câmara de Notícias

PODE LHE INTERESSAR