Saiba quem não terá direito às novas parcelas do Auxílio Emergencial

Saiba quem não terá direito às novas parcelas do Auxílio Emergencial
Saiba quem não terá direito às novas parcelas do Auxílio Emergencial

Saiba quem não terá direito às novas parcelas do Auxílio Emergencial.

O governo prorrogou o auxílio emergencial por mais três meses, de agosto a outubro. As datas de pagamento ainda não foram divulgadas, mas o decreto da prorrogação já definiu quem terá direito e quem ficará de fora.

>>Cerca de 2 milhões de pessoas são cortadas do Auxílio Emergencial em 2021

Só terá as novas parcelas quem já está recebendo o auxílio neste ano, ou seja, não haverá abertura de novos cadastros.

Os valores das parcelas também foram mantidos, variando de R$ 150 (para quem mora sozinho) a R$ 375 (mães chefes de família).

>>Veja quem tem direito de receber R$ 550 de Auxílio-inclusão

Quem não pode receber?

Não têm direito, segundo o governo:

  • quem não recebeu o auxílio em 2021;
  • trabalhadores formais, com carteira assinada;
  • quem recebe benefício do INSS ou de programa de transferência de renda federal;
  • quem recebeu o auxílio em 2020, mas não sacou nem usou o dinheiro;
  • quem estiver com auxílio emergencial 2020 cancelado no momento da análise cadastral do novo auxílio;
  • residentes médicos, multiprofissionais, beneficiários de bolsas de estudo, estagiários e similares pessoas com menos de 18 anos, exceto mães adolescentes presidiários quem teve rendimentos tributáveis acima de R$ 28.559,70 em 2019;
  • quem tinha em 31 de dezembro de 2019 a posse ou a propriedade de bens ou direitos, inclusive terra nua, de valor total superior a R$ 300 mil quem recebeu em 2019 rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte superior a R$ 40 mil;

>>4ª parcela do Auxílio Emergencial deve ser antecipada; veja calendário atual

Quem pode receber?

É preciso atender uma série de critérios para receber o novo auxílio:

  • ter recebido o auxílio emergencial em 2021;
  • ser trabalhador informal ou beneficiário do Bolsa Família;
  • ter renda familiar mensal de até três salários mínimos (R$ 3.300);
  • ter renda familiar por pessoa de até meio salário mínimo (R$ 550);

>>14 situações em que o saque do FGTS é liberado e quais documentos são necessários

Em 2021, auxílio é menor

O auxílio emergencial 2021 está mais restrito que o do ano passado. Ao todo, com a prorrogação, o benefício é pago em sete parcelas, com valores de R$ 150, R$ 250 ou R$ 375, dependendo da família, limitado a um benefício por família.

São beneficiadas 45,6 milhões de pessoas, 22,6 milhões a menos do que no auxílio emergencial de R$ 600, pago em meados do ano passado (68,2 milhões de pessoas).

>>Alteração pode liberar Auxílio Emergencial retroativo de R$ 3 mil; entenda

Quanto vou receber?

O valor do auxílio a ser recebido depende da condição de cada benefício:

  • para quem mora sozinho: R$ 150;
  • famílias com mais de uma pessoa e que não são chefiadas por mulheres: R$ 250;
  • famílias chefiadas por mulheres: R$ 375;

>>INSS amplia calendário de prova de vida; veja novo calendário

Como é o pagamento?

O governo deposita o dinheiro nas contas digitais gratuitas abertas pela Caixa em nome dos beneficiários do auxílio no ano passado. O dinheiro pode ser movimentado pelo aplicativo Caixa Tem. Primeiro, a pessoa recebe o depósito e só consegue usar o dinheiro para compras e pagamento de contas.

O saque do dinheiro só é disponibilizado semanas mais tarde, em calendário ainda a ser divulgado pelo governo federal.

Fonte: UOL

PODE LHE INTERESSAR