Saiba como será a inscrição no novo auxílio emergencial e quem receberá novas parcelas

Presidente da Caixa confirma que 42 milhões de cadastros foram negados
Foto: A7 Press

Na última quinta-feira, 11, o presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), afirmou que uma nova rodada do auxílio emergencial deve ser paga a partir de março e por um período de até quatro meses.

>>Empresa abre 300 vagas com home office e dá 7 mil bolsas de estudo aos candidatos

O chefe do Executivo afirmou que essa é a alternativa discutida atualmente entre o Executivo e o Congresso. Ele disse, contudo, que não sabe qual seria o valor do benefício. “Está quase certo, ainda não sabemos o valor. Com toda certeza – pode não ser – a partir de março, (por) três, quatro meses”, disse em conversa com jornalistas ao final de evento do governo em Alcântara (MA).

Os beneficiários das novas parcelas do auxílio emergencial serão selecionados através da planilha com os dados de quem já havia recebido outras parcelas em 2020. O governo será o responsável pela filtragem, já que foi decidido que menos pessoas terão acesso ao novo benefício.

>>ENEM 2021 já tem data prevista para acontecer; saiba detalhes

Como será inscrição no novo auxílio emergencial em 2021?

No ano passado, a solicitação do benefício aconteceu necessariamente através do site da Caixa para quem fosse não era inscrito no Cadastro Único (CadÚnico) do governo federal, e não fazia parte do Bolsa Família. Dessa vez, porém, não haverá esse procedimento. Neste ano, os dados dos beneficiários serão retirados do banco de dados já produzido pelo Ministério da Cidadania. A seleção ocorrerá com base nos critérios de renda de cada beneficiário.

Outra mudança é que as mulheres solteiras chefes de família que recebiam o valor do benefício em dobro, neste ano todos receberão o mesmo valor – que inclusive será reduzido.

>>Caixa Tem antecipa auxílio emergencial, FGTS, PIS e outros; saiba como

Quem não recebe nova parcela do auxílio emergencial?

  • Quem recebe pensão;
  • Aposentadoria;
  • Benefício assistencial;
  • Seguro desemprego;
  • Tem vínculo empregatício ativo.

Com a seleção e filtragem,  dos 68 milhões que receberam o auxílio em 2020, apenas 40 milhões recebam o benefício em 2021. Do total de aptos, 14 milhões fazem parte também do programa Bolsa Família. Quanto a outra parcela é formada por trabalhadores informais e pessoas em situação de vulnerabilidade fora do Bolsa Família.A

A equipe governista informou recentemente que o gasto total do governo não irá ultrapassar R$ 50 bilhões no ano. A proposta é oferecer R$ 250 por até quatro meses, valor menor que o mínimo oferecido no ano passado.

>>Cronograma do governo prevê entregas de vacinas contra covid durante o ano

Qual será a forma de pagamento deve ser a mesma?

Seguindo o modelo do ano passado, os pagamentos serão feitos através do aplicativo Caixa Tem, da Caixa Econômica Federal. A plataforma está disponível gratuitamente para os sistemas operacionais Android e iOs.

Sobre o Auxílio Emergencial

O Auxílio Emergencial é um benefício financeiro concedido pelo Governo Federal destinado aos trabalhadores informais, microempreendedores individuais (MEI), autônomos e desempregados, e tem por objetivo fornecer proteção emergencial no período de enfrentamento à crise causada pela pandemia do Coronavírus – COVID 19.

>>Bolsa Família encerra o Ciclo 5 de pagamentos do Auxílio Emergencial

A CAIXA atua como agente operador desse benefício e a origem dos recursos para pagamento é do Governo Federal, por intermédio do Ministério da Cidadania.

PODE LHE INTERESSAR