Qual será o valor do saque emergencial do FGTS?

O Governo Federal vem sofrendo forte pressão para realizar uma nova prorrogação do Auxílio Emergencial. Na contramão dessa pressão o Ministério da Economia vem buscando novas alternativas para estimular a economia do país bem como reduzir os impactos da pandemia neste inicio de ano, sem que seja necessário aumentar os gastos públicos para tal.

>>Mais de 25 mil visitadores contribuem com o Criança Feliz; veja como participar

Dentre as possibilidades do governo está o retorno do saque emergencial do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). Para recordar, o saque emergencial do FGTS foi anunciado pelo governo no início da pandemia em 2020.

Durante o processo de liberação do fundo aproximadamente 51,5 milhões de trabalhadores puderam retirar até R$ 1.045 das contas do fundo, sendo elas, contas ativas (emprego atual) bem como contas inativas (empregos anteriores).

>>Bolsa Família de fevereiro será depositado no Caixa Tem para este grupo

Valores reduzidos

A previsão é de que as regras para saque do FGTS emergencial sigam os mesmos moldes do ano passado, ou seja, liberando aos trabalhadores um saque das contas ativas e inativas do fundo de até um salário mínimo, valor esse que poderá ser sacado de até R$ 1.100 em 2021.

Porém uma nova rodada do saque emergencial este ano, mesmo que em si, possa liberar um valor de até R$ 1.100 pode significar um valor menor que o esperado, tendo em vista que a disponibilidade de recursos dos trabalhadores podem ser menores que um salário mínimo, justamente pelo saque realizado no ano passado.

>>Ação no STF pode custar R$ 86,9 bilhões à Previdência Social em 30 anos

Além disso, conselheiros do fundo estão receosos de que mais saques do FGTS possam ameaçar a rentabilidade dos investimento do Fundo de Garantia, tendo em vista que os lucros do fundo no ano passado caíram quase que pela metade.

Além disso é importante deixar claro aos trabalhadores que mais saques do FGTS sendo liberado significa menos saldo para casos de uma eventual demissão sem justa causa, ou ainda para o cidadão que queira utilizar o Fundo como entrada no financiamento de imóveis por programas como o Casa Verde e Amarela.

Porém uma nova rodada do saque emergencial este ano, mesmo que em si, possa liberar um valor de até R$ 1.100 pode significar um valor menor que o esperado, tendo em vista que a disponibilidade de recursos dos trabalhadores podem ser menores que um salário mínimo, justamente pelo saque realizado no ano passado.

INSS: confira o calendário de pagamentos para a próxima semana

Além disso, conselheiros do fundo estão receosos de que mais saques do FGTS possam ameaçar a rentabilidade dos investimento do Fundo de Garantia, tendo em vista que os lucros do fundo no ano passado caíram quase que pela metade.

Além disso é importante deixar claro aos trabalhadores que mais saques do FGTS sendo liberado significa menos saldo para casos de uma eventual demissão sem justa causa, ou ainda para o cidadão que queira utilizar o Fundo como entrada no financiamento de imóveis por programas como o Casa Verde e Amarela.

O que é FGTS?

Criado em 1966, o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) do governo do Marechal Castello Branco, Roberto Campos, com o objetivo de proteger o trabalhador demitido sem justa causa, mediante a abertura de uma conta vinculada ao contrato de trabalho.

No início de cada mês, os empregadores depositam em contas abertas na Caixa, em nome dos empregados, o valor correspondente a 8% do salário de cada funcionário.

>Caixa vai lançar programa de financiamentos de até R$ 2 mil com juros menores

O FGTS é constituído pelo total desses depósitos mensais e os valores pertencem aos empregados que, em algumas situações, podem dispor do total depositado em seus nomes.

Quem tem direito ao FGTS?

Todo trabalhador brasileiro com contrato de trabalho formal, regido pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), e, também, trabalhadores domésticos, rurais, temporários, intermitentes, avulsos, safreiros (operários rurais que trabalham apenas no período de colheita) e atletas profissionais têm direito ao FGTS. O diretor não empregado pode ser incluído no regime do FGTS, a critério do empregador.

Com  Jornal Contábil

PODE LHE INTERESSAR