Novo programa social “robusto” pode substituir Auxílio Emergencial e Bolsa Família

Novo programa social "robusto" pode substituir Auxílio Emergencial e Bolsa Família
Novo programa social “robusto” pode substituir Auxílio Emergencial e Bolsa Família

Novo programa social “robusto” pode substituir Auxílio Emergencial e Bolsa Família.

O governo federal estuda a implementação de um programa social mais ‘robusto’ para substituir o Auxílio Emergencial a partir de agosto. A declaração é do líder do governo no Senado, Fernando Bezerra (MDB-PE), ao jornalista Valdo Cruz, da GloboNews.

>>Auxílio Emergencial 2021: primeira parcela chega a inscritos do CadÚnico e Bolsa Família

O novo programa, segundo Bezerra, vai substituir o Bolsa Família e deve atingir um número maior de beneficiários. O valor das parcelas também pode ser reajustado.

A iniciativa está em fase de estudos do Ministério da Cidadania. O Palácio do Planalto espera entregar o projeto até julho e iniciar os pagamentos em agosto, quando deve encerrar o auxílio emergencial. Com a medida, o presidente Jair Bolsonaro pretende diminuir os desgastes e pressão em seu governo.

>>Governo de SP entregará ‘cartões de compras’ com R$ 100 para famílias

A equipe econômica deve usar os R$ 35 bilhões em caixa que serão destinados para o Bolsa Família. De acordo com o senador Fenando Bezerra, o novo programa do governo não deve prejudicar os cofres da União, pois a verba está reservada e os beneficiários do Bolsa Família estão na lista de pagamentos do auxílio emergencial, com valores computados fora do Teto de Gastos.

Renda Brasil

Desde o início da gestão Bolsonaro, a equipe econômica tenta encontrar alternativas de substituição do programa Bolsa Família, instituído pelo ex-presidente Lula.

>>INSS muda cálculo e facilita entrada no Bolsa Família; entenda

A primeira opção era a criação do Renda Brasil, programa que somaria projetos de assistência social do governo federal ao benefício. A ideia, no entanto, foi afastada após divergências entre Bolsonaro e a equipe do ministro Paulo Guedes.

Fonte: Brasil Econômico – iG

PODE LHE INTERESSAR