Novo auxílio: confira valores que o governo quer pagar para mulheres com filhos e família com uma pessoa

Auxílio emergencial: valores que o governo quer pagar para mulheres com filhos e família com uma pessoa Foto: Marcos Lacerda/ AM Press & Imagens/ Estadão Conteúdo

O governo quer criar diferentes faixas de pagamento do novo auxílio emergencial e levar em consideração a composição familiar na hora da concessão do benefício. Fontes envolvidas nas discussões, informaram ao site Extra que o valor será fixado em R$ 250, porém mulheres com filhos terão direito a uma cota maior, sendo no valor de  R$ 375. Já para as famílias compostas apenas por uma pessoa, receberão R$ 150. A expectativa é que os repasses comecem no dia 18 de março para quem já recebe o Bolsa Família.

>>Câmara pode votar hoje MP que amplia margem do consignado de aposentados

Quanto ao restante dos trabalhadores o pagamento deverá ter início a partir dos últimos dias do mês, segundo uma fonte que acompanha a elaboração da proposta.

PEC Emergencial

Nesta última quarta-feira (03) os Senadores deram início a votação da proposta de emenda à Constituição (PEC) que libera os pagamentos, após um dia tenso no qual a equipe econômica tentou evitar a desidratação de medidas de controle fiscal previstas no texto.

Fontes ligadas ao governo, relataram que os benefícios serão pagos em quatro parcelas a apenas um membro da família. Além disso, não poderão ser acumulados. O objetivo é atingir maior número de pessoas, um universo de 46 milhões de famílias. O gasto está projetado entre R$ 35 bilhões e R$ 36 bilhões.

>>IR: quem recebeu mais de R$ 22,8 mil terá de devolver auxílio emergencial

Quais critérios?

Segundo a equipe econômica  do governo, nessa nova rodada de pagamentos, deverão ser mantidos os mesmos critérios de renda para acessar o auxílio, de meio salário mínimo por pessoa da família (R$ 550) e até três salários mínimos (R$ 3,3 mil).

>>Segurados do INSS recebem R$ 1.100 nesta quinta-feira; veja quem tem direito

Os dois requisitos serão aplicados de forma conjunta, ou seja, uma família de apenas três pessoas com renda de até três pisos não poderá ser beneficiada.

Além disso,  pessoas que recebem algum tipo de benefício do governo, como aposentadoria, pensão, benefício de prestação continuada (BPC), seguro desemprego, trabalhadores com carteira assinada, servidores públicos e militares não terão direito ao auxílio emergencial.

>>BPC/Loas: MC proíbe bloqueio e suspensão de pagamento do benefício

Maiores detalhes deverão constar de uma medida provisória (MP) a ser editada nos próximos dias. O Ministério da Cidadania irá definir o cronograma a ser cumprido pela Caixa Econômica Federal. Para liberar os pagamentos, a pasta vai utilizar o banco de dados criado no passado e que passou por diversos crivos.

Sobre o Auxílio Emergencial

O Auxílio Emergencial é um benefício financeiro concedido pelo Governo Federal destinado aos trabalhadores informais, microempreendedores individuais (MEI), autônomos e desempregados, e tem por objetivo fornecer proteção emergencial no período de enfrentamento à crise causada pela pandemia do Coronavírus – COVID 19.

>>Abertas mais de 8 mil vagas em cursos de qualificação profissional

A Caixa Econômica Federal atua como agente operador desse benefício e a origem dos recursos para pagamento é do Governo Federal, por intermédio do Ministério da Cidadania.

PODE LHE INTERESSAR