Medidas econômicas melhoraram expectativas para o PIB

Arrecadação federal em janeiro fica 3,5% acima do esperado
Arrecadação federal em janeiro fica 3,5% acima do esperado – Foto: Marcos Santos/USP Imagens

A Secretaria de Política Econômica, do Ministério da Economia, divulgou, nesta sexta-feira (29), nota informativa com projeções de crescimento econômico e medidas fiscais. A análise destaca que as medidas adotadas pelo Brasil para mitigar os efeitos da Covid-19 reverteram as expectativas de queda para o Produto Interno Bruto (PIB) em 2020 para níveis menos críticos.

>>FNDE transfere R$ 366,3 milhões para a alimentação escolar

De acordo com a secretaria, a rápida resposta conjunta do Governo Federal e do Congresso Nacional limitaram a deterioração da atividade. O país destinou cerca de 8,5% do PIB em medidas fiscais direcionadas ao combate à crise – percentual que supera a média dos valores destinados pelos países em desenvolvimento e da América Latina e ultrapassa a média dos países avançados.

>>Caixa paga auxílio para 3,2 milhões de nascidos em novembro

“As ações tomadas pelo Brasil fizeram com que as projeções mais pessimistas, que foram divulgadas por organizações multilaterais e pela mediana de mercado no primeiro semestre de 2020, melhorassem significativamente nos últimos meses”, destacou o subsecretário de Política Macroeconômica, do Ministério da Economia, Fausto Vieira. Segundo ele, o país se destacou em relação às projeções para a média dos países emergentes.

>>Aprenda como fazer o saque digital do FGTS de forma simples e segura

O estudo destaca o fato de que os altos níveis de recursos públicos utilizados para o combate à crise – apesar de necessários para manter renda e emprego – devem ser entendidos como temporários. De acordo com o texto, as medidas emergenciais não podem ser confundidas com medidas estruturais e a agenda estrutural de reformas para consolidação fiscal e aumento da produtividade devem ser retomadas em breve para que o país registre um crescimento econômico sustentável de longo prazo.

Fonte: Governo Federal

PODE LHE INTERESSAR