MEC faz recomendações sobre ensino a distância durante pandemia

Para repor aulas após isolamento social, algumas das recomendações são reprogramação de férias e utilização dos sábados

Autor: Charles Fábion

Publicada em


MEC faz recomendações sobre ensino a distância durante pandemia
MEC faz recomendações sobre ensino a distância durante pandemia – Foto: Freepik

MEC faz recomendações sobre ensino a distância durante pandemia.

Para orientar instituições de ensino da educação básica e superior sobre as práticas que devem ser adotadas durante a pandemia, o Ministério da Educação (MEC) homologou um conjunto de diretrizes, aprovado pelo Conselho Nacional da Educação (CNE).

Vale destacar que a educação básica compreende a educação infantil, o ensino fundamental obrigatório de nove anos e o ensino médio.

Ensino a distância

O documento publicado nesta semana no Diário Oficial da União, sugere que as escolas mantenham um fluxo de atividades escolares não presenciais enquanto durar a situação de emergência para o cumprimento da carga horária; e busquem alternativas para minimizar a necessidade de reposição presencial de dias letivos após a pandemia.

Veja também: MEC vai liberar 122 mil vagas em cursos gratuitos online (EaD) de qualificação profissional

O texto autoriza os sistemas de ensino a computarem atividades não presenciais para o cumprimento da carga horária.

O documento elaborado pelo CNE sugere ainda uma série de atividades não presenciais que podem ser utilizadas pelas redes de ensino durante a pandemia.

Videoaulas, plataformas virtuais, redes sociais, programas de televisão e rádio e material didático impresso entregue aos responsáveis são algumas das alternativas possíveis.

Para especialistas, o momento de isolamento social está sendo um desafio para professores e pais. “É um grande desafio para todo mundo. Mas, com certeza, após essa pandemia, vamos sair com grandes aprendizagens. Acredito que a educação não será a mesma após esse momento”, concluiu a pedagoga Xênia Honório.

Confira algumas recomendações por etapas de ensino

Educação Infantil

Para a educação infantil, as recomendações para creche e pré-escola, neste momento de pandemia, é que busquem a aproximação virtual dos professores com as famílias para estreitar vínculos; e que as atividades sejam lúdicas, para que as crianças pequenas se desenvolvam brincando.

Leia também: Empresa oferece mais de 10.000 vagas para cursos online gratuitos

A pedagoga e pesquisadora dos usos das tecnologias digitais no processo de ensino e aprendizagem, Xênia Honório, falou sobre os desafios das aulas on line na educação infantil.

“Os educadores precisam criar ambientes que sejam os mais lúdicos e diversificados possíveis, para que a criança consiga se envolver com essas aulas. Consigam, realmente, aprender neste tempo que elas passam conectadas. É um desafio para todo mundo, para as crianças, para os educadores e para os pais.”

Ensino Fundamental e Médio

Nos anos iniciais, a recomendação é que as atividades devem ser práticas e estruturadas e não devem exigir que os responsáveis do aluno substituam o trabalho do professor.

Já nos anos finais do Ensino Fundamental e no Ensino Médio, há mais autonomia por parte dos estudantes. Entre as sugestões de atividades, está a distribuição de vídeos educativos.

Ensino Superior e EJA

O CNE sugere que, para a continuidade das atividades de aprendizado no Ensino Superior, as instituições possam disponibilizar atividades não presenciais.

Para a Educação de Jovens e Adultos, a recomendação é que as atividades remotas devem considerar as condições de vida dos estudantes, para haver harmonia na rotina de estudos e de trabalho.

Educação Especial

As atividades pedagógicas não presenciais devem incluir os estudantes com deficiência, transtorno de espectro autista e altas habilidades. E devem envolver parcerias entre profissionais especializados e professores, além de dar orientações e apoios necessários aos responsáveis.

Confira também: Instituto oferece 1 mil vagas gratuitas em cursos de ensino à distância (EaD)

Educação Indígena, do Campo e Quilombola

As escolas poderão ofertar parte das atividades escolares em horário de aulas normais e parte em forma de estudos dirigidos e atividades nas comunidades.

Fim do isolamento

Para repor as aulas ao fim do isolamento social, a diretriz indica utilização de períodos não previstos, como recesso escolar do meio do ano, de sábados, e a reprogramação de períodos de férias. Outras alternativas são a ampliação da jornada escolar diária por meio de acréscimo de horas em um turno ou a utilização do contraturno.

De acordo com o documento, a reorganização dos calendários é de responsabilidade dos sistemas de ensino.