Lula defende auxílio emergencial de R$ 600 após Bolsonaro confirmar R$ 400

Lula defende auxílio emergencial de R$ 600 após Bolsonaro confirmar R$ 400
Lula defende auxílio emergencial de R$ 600 após Bolsonaro confirmar R$ 400 – Foto: Reprodução / UOL

 

Lula defende auxílio emergencial de R$ 600 após Bolsonaro confirmar R$ 400.

Um dia depois de o governo Jair Bolsonaro (sem partido) confirmar que o Auxílio Brasil terá um valor médio de R$ 400, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) defendeu que o benefício concedido às famílias seja de R$ 600.

>>Bolsonaro confirma qual será o valor pago pelo Auxílio Brasil

“Eu estou vendo agora Bolsonaro dizer que vai dar um auxílio emergencial de R$ 400 que vai durar até o final do ano que vem. E tem muita gente dizendo ‘não, a gente não pode aceitar porque é um auxílio emergencial eleitoral’. Não, eu não penso assim”, afirmou Lula, em entrevista à rádio A Tarde, de Salvador.

Líder nas pesquisas de intenção de voto para à Presidência em 2022, segundo o Datafolha, o petista lembrou que o PT defende, há cinco meses, o retorno do auxílio emergencial de R$ 600 e diz não ver motivos para o partido criticar o aumento do benefício concedido às famílias.

>>Caixa paga 7ª parcela do Auxílio Emergencial para trabalhadores informais

O petista defendeu que o partido continue pleiteando o aumento do auxílio para R$ 600 “porque o povo merece”. E disse que esta questão não deve ser tratada sob a ótica eleitoral e que “não se pode querer que o povo continue na miséria” por causa das eleições de 2022.

“O que nós queremos é que Bolsonaro dê o auxílio emergencial de R$ 600. ‘Ah, ele vai tentar tirar proveito disso’. Olha, isso é problema dele. E é problema da sabedoria do povo. Se alguém acha que vai ganhar o povo porque vai dar um salário emergencial de R$ 600, paciência”, disse o petista.

>>Tarifa social de energia: como se cadastrar e garantir até 65% desconto na conta de luz?

O presidente Jair Bolsonaro determinou que o Auxílio Brasil, nome dado à nova versão do Bolsa Família, chegue a R$ 400, valor superior aos R$ 300 do auxílio emergencial.

O benefício criado para aliviar os efeitos econômicos da pandemia acaba no próximo dia 31. Como a Folha mostrou, a indefinição para uma saída do novo programa social aumentou a pressão sobre o ministro Paulo Guedes (Economia) nos últimos dias.

Nesta terça-feira (19/10), 0 Palácio do Planalto desistiu de realizar a cerimônia que anunciaria o Auxílio Brasil. Apesar de não ter entrado oficialmente na agenda do Planalto, a cerimônia foi combinada em reunião no Palácio do Alvorada na noite de segunda-feira (18/10).

>>MEC lança cursos a distância para professores da educação infantil

O recuo ocorreu após nervosismo do mercado diante da possibilidade de o governo aumentar gastos acima do teto e pressão do ministro Paulo Guedes (Economia) e da equipe dele, inclusive com ameaça de demissões de secretários da pasta. O Ministério da Economia nega risco de debandada.

Diante do impasse, a equipe econômica retomou a intenção de tentar manter o novo programa dentro do teto de gastos. O valor de R$ 400, contudo, foi determinado pelo presidente e não está em discussão.

>>Nova proposta de auxílio prevê parcelas de R$ 400 até fim de 2022

Para a ala política do governo, é improvável que haja uma saída dentro do teto. Segundo relatos, desagradar o mercado financeiro já estava “precificado” por auxiliares do presidente. O desgaste entre as alas política e econômica do governo não vem de hoje, mas se intensificou nos últimos dias por causa do auxílio emergencial.

A Bolsa de Valores brasileira registrou forte queda e o dólar disparou nesta terça-feira. O Ibovespa, principal indicador da B3, chegou a recuar quase 4% durante a tarde e encerrou o pregão na marca de 110.672 pontos, queda de 3,28%. O dólar foi a R$ 5,59, uma alta de 1,35%.

Auxílio Brasil

O Palácio do Planalto espera resolver o imbróglio em torno do Auxílio Brasil de R$ 400 nesta quarta-feira (20/10). A solução passará, de acordo com ministros palacianos, pela inclusão de um dispositivo para viabilizar os benefícios temporários na PEC (proposta de emenda à Constituição) dos precatórios, autorizando o pagamento das parcelas fora do teto de gastos. O teto impede o crescimento real das despesas do governo.

Fonte: FOLHAPRES

PODE LHE INTERESSAR