Lote com 5,7 milhões de doses de vacinas começa a ser distribuído

Lote com 5,7 milhões de doses de vacinas começa a ser distribuído
Lote com 5,7 milhões de doses de vacinas começa a ser distribuído – Foto: Tânia Rego/Agência Brasil

Lote com 5,7 milhões de doses de vacinas começa a ser distribuído.

O Ministério da Saúde (MS) envia aos estados a partir de hoje (13/05) um novo lote de 5,7 milhões de doses de vacinas contra a covid-19. Neste estoque estão doses da Oxford/AstraZeneca, fabricada pela Fiocruz e da CoronaVac, produzida pelo Instituto Butantan em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac.

>>Governo entrega 500 casas novas; investimentos beneficiarão cerca de 1,5 mil pessoas

Esta remessa é destinada para a segunda dose de trabalhadores da saúde com faixas etárias de 65 a 69 anos e de 85 a 89 anos, além de povos indígenas, ribeirinhos e comunidades quilombolas e pessoas com deficiência permanente.

O MS orienta as pessoas para tomarem a segunda dose mesmo que tenha ultrapassado o tempo indicado. Essa recomendação foi dada em razão da falta de doses para a segunda aplicação devido à falta de matérias-primas, especialmente no caso da CoronaVac, cuja produção teve atraso no envio da China de Ingredientes Farmacêuticos Ativos (IFAs) para a fabricação do imunizante.

>>Cuidado com os golpes sobre a antecipação do Décimo Terceiro (13º) do INSS

As doses também são para gestantes e puérperas. O MS emitiu ontem novas recomendações a este público após a morte de uma gestante no Rio de Janeiro depois da aplicação de dose da Oxford/AstraZeneca. Devem ser vacinadas apenas as mulheres deste segmento com comorbidades e com as vacinas da CoronaVac e Pfizer.

De acordo com o comitê de especialistas do Programa Nacional de Imunizações, ainda não foi constatada a relação de causalidade entre a vacina e a morte da gestante.

>>Caixa antecipa pagamentos da 2ª parcela do Auxílio Emergencial; veja o calendário

O caso está sendo investigado. A suspensão para aplicar a dose do imunizante Oxford/AstraZeneca foi adotada por cautela.

Fonte: Agência Brasil

PODE LHE INTERESSAR