Idosa de 90 anos é 1ª a receber vacina contra covid no Reino Unido

Idosa de 90 anos é 1ª a receber vacina contra covid no Reino Unido
Idosa de 90 anos é 1ª a receber vacina contra covid no Reino Unido. Foto: Foto: Jacob King / AFP / C

Idosa de 90 anos é 1ª a receber vacina contra covid no Reino Unido

Uma britânica de 90 anos se tornou nesta terça-feira (8) a primeira paciente do mundo a receber a vacina contra a covid-19 desenvolvida pela Pfizer e BioNTech, dentro de uma campanha de vacinação iniciada pelo Reino Unido e que deve ser longa e complicada do ponto de vista logístico.

O governo britânico decidiu dar prioridade a idosos, seus cuidadores e profissionais de saúda na campanha de vacinação, iniciada às 8h (5h no horário de Brasília) desta terça-feira, chamado pelo pelo ministro da Saúde, Matt Hancock, como “dia V”, de vacina ou de vitória.

>>Café e bicarbonato de sódio: veja o truque caseiro para esconder os cabelos grisalhos

Margaret Keenan, uma idosa de 90 anos hospitalizada em Coventry (centro da Inglaterra), foi a primeira pessoa a receber a primeira dose da vacina tão aguardada.

“Me sinto muito privilegiada por ser a primeira pessoa a ser vacinada contra a covid-19. É o melhor presente de aniversário antecipado que poderia esperar”, declarou Kenan diante dos fotógrafos, vestida com uma camisa de Natal, uma semana antes de completar 91 anos.

>>Brasil já tem 6,53 milhões de casos e 175,9 mil mortes por Covid-19

“Isto significa que finalmente posso pensar em passar um tempo com minha família e amigos no Ano Novo, depois de ficar sozinha por grande parte do ano”, acrescentou, citada pela agência de notícias Press Association.

O Reino Unido, país mais afetado da Europa pela pandemia, com mais de 61,4 mil mortes confirmadas, é o primeiro Estado ocidental a autorizar o uso de uma vacina contra a covid-19.

>>Governo descarta prorrogar auxílio, mas ampliará o Bolsa Família

A Rússia começou a administrar sua vacina, denominada Sputnik V, no fim de semana passado e a China também utiliza uma vacina experimental em um a grupo reduzido da população. Nos Estados Unidos e na União Europeia, as respectivas agências reguladores de medicamentos devem anunciar as aprovações em breve.

Fonte: R7

PODE LHE INTERESSAR