Governo do RJ libera aulas presenciais para alunos do ensino médio

Governo do RJ libera aulas presenciais para alunos do ensino médio
Governo do RJ libera aulas presenciais para alunos do ensino médio. © Amanda Perobelli/Reuters

Governo do RJ libera aulas presenciais para alunos do ensino médio

O governo do estado do Rio de Janeiro anunciou nesta sexta (9) a retomada das aulas presenciais para os estudantes do 3º ano do ensino médio e da fase 4 da educação de jovens e adultos (EJA) da rede estadual de ensino para o dia 19 de outubro.

A volta não será obrigatória para os estudantes e o ensino remoto será mantido para aqueles que desejarem. Segundo o governo, as demais séries sob responsabilidade do estado, ou seja, do 6º ano do ensino fundamental ao 2º ano do ensino médio, não irão retomar as aulas presenciais este ano.

>Rio de Janeiro define protocolo de volta às aulas

As escolas deverão seguir um protocolo de segurança para evitar o contágio pelo novo coronavírus. Os professores com mais de 60 anos e aqueles que declararem ter alguma comorbidade, fazendo parte, portanto, do grupo de risco da doença, não precisarão retomar os trabalhos presenciais.

O governo disse, ainda, que está se preparando para substituir esses professores e afirma que aqueles que tiverem que aumentar a carga horária serão devidamente pagos.

>Desemprego aumenta 27,6% em quatro meses de pandemia

Governador avalia retorno

“A educação irá voltar. Isso é uma decisão política. Não se pode falar em voltar shopping, voltar cinema, voltar tudo, e não voltar a educação. O que estamos fazendo neste fim de ano talvez seja um grande laboratório para entender como essa educação volta de maneira segura, permitindo o retorno responsável”, disse governador em exercício, Cláudio Castro.

De acordo com o secretário de Estado de Educação, Comte Bittencourt, poderão voltar a estudar 126 mil estudantes dos 706 mil matriculados na rede, o que equivale a aproximadamente 20% dos estudantes da rede estadual.

>Auxílio emergencial será prorrogado até junho?

Dentre as medidas que deverão ser adotadas pelas escolas estão o distanciamento, compra de equipamentos de proteção individual para professores, funcionários e estudantes e disponibilização de álcool em gel.

A escolha do último ano se deu porque são os estudantes que estão concluindo os estudos e são aqueles que participarão de processos seletivos para o ensino superior, como o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), cuja versão impressa será aplicada nos dias 17 e 24 de janeiro de 2021, e a versão digital, nos dias 31 de janeiro e 7 de fevereiro.

>O Bolsa Família vai acabar? Saiba qual será o futuro do programa

Cerca de 40 mil estudantes da rede estão inscritos no exame, de acordo com a Secretaria de Educação. “Queremos dar o mínimo de condições para aqueles que farão a prova”, diz Bittencourt.

Os estudantes que desejarem poderão seguir estudando no próximo ano, mesmo que tenham terminado o ensino médio.

Um calendário para o período letivo presencial será divulgado na próxima terça-feira (13), segundo o governo e, a partir da próxima semana, será intensificada a distribuição de materiais para o ensino remoto dos estudantes.

>Aulas presenciais seguem suspensas em maioria dos estados

O governo do Rio informou, ainda, que irá fazer avaliações individuais dos estudantes uma vez que o acesso aos conteúdos está sendo desigual. Cerca de 411 mil não tiveram acesso a nenhuma atividade acadêmica no período de suspensão das aulas presenciais, de acordo com a Secretaria de Educação.

>Para 72%, aula presencial só deve voltar com vacina para Covid-19

Fonte: Ig

PODE LHE INTERESSAR