FGTS: Pagamentos de abril a julho poderão ser parcelados em até quatro vezes

FGTS: Pagamentos de abril a julho poderão ser parcelados em até quatro vezes
FGTS: Pagamentos de abril a julho poderão ser parcelados em até quatro vezes. © Gabriel Cabral / Folhapress

FGTS: Pagamentos de abril a julho poderão ser parcelados em até quatro vezes

Uma Medida Provisória (MP)trouxe uma mudança relacionada ao adiamento da obrigatoriedade de pagamento do FGTS pelos empregadores, relativo aos meses de, abril, maio, junho e julho de 2021, tendo o vencimento em maio, junho, julho e agosto de 2021 respectivamente.

A MP aconteceu para amparar os empregadores durante esta crise que estamos vivendo da covid-19, pois, o mesmo é primordial para a manutenção dos empregos.

>>MEC divulga calendário com prazos de inscrições para SISU, ProUni e FIES

Porém, as empresas precisam estar atentas a isto, houve o adiamento com o objetivo de ajudar, amparar, mas futuramente as mesmas terão que arcar com os custos.

Adiamento do pagamento do FGTS

Esta medida pode ser feita:

Independente do número de empregados;
Do regime de tributação;
Da natureza jurídica;
Do ramo de atividade econômica;
Ou adesão prévia.
Como funciona esta medida na prática?
Na prática, quem optar por esta medida, os pagamentos de abril, maio, junho e julho deste ano,2021, devem ser realizados de forma parcelada, sem a incidência da atualização da multa e dos encargos, sendo feita em até quatro parcelas mensais.

O vencimento será a partir de setembro de 2021, na data do recolhimento mensal devido.

>>Chegada do 5G ao Brasil e o uso da Internet das Coisas; saiba como funciona

Para declarar as informações

O empregador fica obrigado a fazer a declaração das informações até o dia 20 de agosto deste ano, 2021, se o empregador descumprir esta ordem, os mesmo serão considerados em atraso, ficando obrigados a efetuar o pagamento integral da multa e dos encargos, ficando também suspenso a contagem do prazo prescricional dos débitos relativos aos depósitos no FGTS pelo prazo de cento e vinte dias, que será contado a partir da data de publicação desta medida provisória.

PODE LHE INTERESSAR