Favela do Jacarezinho: Polícia confirma que número de mortos subiu para 28

Favela do Jacarezinho: Polícia confirma que número de mortos subiu para 28
Favela do Jacarezinho: Polícia confirma que número de mortos subiu para 28 – Foto: Fabiano Rocha/Divulgação

Favela do Jacarezinho: Polícia confirma que número de mortos subiu para 28.

A Polícia Civil confirmou que subiu para 28 o número de mortos na operação realizada na última quinta-feira (06/05) na favela do Jacarezinho, zona norte do Rio. O número foi ampliado, depois que três vítimas que deram entrada em hospitais públicos foram levadas ontem(07/05) para o Instituto Médico Legal (IML).

>>Pfizer deve produzir 4 bilhões de doses de vacina contra covid em 2022

Antes o número de mortos era de 25, entre eles o policial civil André Leonardo Frias, 48 anos, da Delegacia de Combate às Drogas (Dcod), morto com um tiro na cabeça quando desceu do carro blindado, junto com outros cinco policiais, porque o carro ficou impedido de seguir pela favela por causa de uma barricada colocada pelo tráfico no caminho.

O disparo que matou o policial partiu de uma espécie de bunker, com furos no muro para passar o cano de armas de guerra, e aconteceu no momento em que a equipe chegava na comunidade, por volta das 6h.

>>Aglomerações no Dia das Mães podem causar novo surto da covid-19

MPRJ

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) está investigando as circunstâncias das mortes na ação policial no Jacarezinho para apurar se houve violações a direitos durante a operação.

“Todas as medidas judiciais e extrajudiciais cabíveis em decorrência dos fatos ocorridos estão sendo tomadas pelo MPRJ, que na data de ontem esteve presente na comunidade, acompanhando os desdobramentos da operação. Cabe destacar ainda que o MPRJ acompanha a perícia nos corpos das pessoas mortas durante a intervenção policial”, informou a nota.

>>IR: 14 milhões de pessoas ainda não enviaram a declaração

Os promotores estão recolhendo relatos e outros elementos para subsidiar as investigações. “Dentre esses elementos, foram recebidas comunicações de cidadãos, instituições, associações e coletivos, trazendo relatos, imagens e vídeos da operação, que foram imediatamente levados ao conhecimento da 1ª Promotoria de Justiça de Investigação Penal Especializada da Capital, responsável pelo procedimento investigatório”.

Fonte: Agência Brasil

PODE LHE INTERESSAR