Brasil terá 15 milhões de doses da vacina de Oxford em janeiro, diz ministro

Brasil terá 15 mi de doses da vacina de Oxford em janeiro, diz ministro
Brasil terá 15 mi de doses da vacina de Oxford em janeiro, diz ministro. Foto: Reprodução

Brasil terá 15 mi de doses da vacina de Oxford em janeiro, diz ministro

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, disse nesta quarta-feira (2) que o Brasil vai receber, entre janeiro e fevereiro, 15 milhões de doses da vacina contra a covid-19 do laboratório AstraZeneca, desenvolvida em parceria com a Universidade de Oxford e a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

>>Projeto proíbe multas por radares móveis em velocidades abaixo de 120Km/h

Em audiência no Congresso Nacional, Pazuello destacou que o contrato prevê, com a AztraZeneca, o escalonamento da produção que disponibilizará 100 milhões de doses ao país e transferência tecnológica. Isso permitirá ao Brasil produzir no segundo semestre de 2021 mais 110 milhões a 160 milhões de doses. O valor do contrato é de R$ 1,9 bilhão.

>>Universidade Federal não seguirá portaria do MEC que exige aulas presenciais em 2021, afirma reitor

“Entre janeiro e fevereiro, já começam a chegar 15 milhões de doses da Aztrazenica Oxford com a Fiocruz”, disse Pazuello. “No primeiro semestre, chegaremos a 100 milhões. No segundo semestre, já com a tecnologia transferida, podemos produzir com a Fiocruz até 160 milhões de doses a mais. Só aí, são 260 milhões de doses”, explicou.

O ministro destacou a participação do Brasil no consórcio Covax Facility, no valor de R$ 2,5 bilhões, que reúne dez laboratórios e que pode garantir ao país mais 42 milhões de doses, totalizando mais de 300 milhões de doses de vacinas já acordadas e comercializadas.

>>Habilitação (CNH) vencida em 2020 terá mais um ano de validade

Pazuello destacou que poucos laboratórios internacionais têm condições de atender a alta demanda do Brasil.
“São muito poucas as fabricantes que têm a quantidade de cronograma de entrega efetivo para o nosso país. “Os números são pífios”, disse Pazuello. “A maioria fica com número muito pequeno para o nosso país.”

O ministro ressaltou que o governo só vai aplicar vacinas que forem aprovadas pela Anvisa (Agência de Vigilância Sanitária).

Fonte: R7

PODE LHE INTERESSAR