Bolsa Família pode se unir ao PIS/Pasep e Salário-família e deve ser ampliado

Bolsa Família pode se unir ao PIS/Pasep e Salário-família e deve ser ampliado
Bolsa Família pode se unir ao PIS/Pasep e Salário-família e deve ser ampliado © Gabriel Cabral / Folhapress

 

Bolsa Família pode se unir ao PIS/Pasep e Salário-família e deve ser ampliado.

Uma das propostas em estudo pelo Ministério da Economia para criar o programa Renda Brasil é unificar o Bolsa Família, o abono salarial, o seguro-defeso e o salário-família.

Bolsa Família e Cadastro Único: tudo sobre a 4ª e 5ª parcela do Auxílio Emergencial

A ideia do governo é usar os recursos dos quatro programas para criar uma marca social para o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), já que Bolsa Família é uma herança do PT (Partido dos Trabalhadores).

Outros programas sociais, como o Farmácia Popular, que garante descontos para pessoas de baixa renda comprarem remédios, estão em avaliação e podem compor o Renda Brasil.

Alguns beneficiários do Bolsa Família poderão receber até dois valores no Renda Brasil

Abono Salarial, Seguro-defeso e Salário-família

O abono salarial é pago anualmente a quem recebe até dois salários mínimos e tem carteira assinada. O seguro-defeso é destinado aos pescadores no período em que a pesca é proibida.

E o salário-família é pago para trabalhadores de baixa renda que têm filhos de até 14 anos ou filhos com deficiência.

Se o Renda Brasil vai substituir o Bolsa Família ele também pagará décimo terceiro (13°)?

O ministro da Economia, Paulo Guedes, vem afirmando em reuniões reservadas que a unificação desses benefícios garantiria recursos para que mais pessoas em situação de pobreza recebam ajuda financeira do governo.

O Bolsa Família é pago a pessoas em situação de pobreza e extrema pobreza. Atualmente, mais de 13,9 milhões de famílias o recebem, segundo a Caixa Econômica Federal.

Sem contar com o orçamento do Bolsa Família, estimado em R$ 29,5 bilhões em 2020, a unificação dos outros três programas garantiriam R$ 25 bilhões extras em recursos para o Renda Brasil. Somente o abono garantiria R$ 20 bilhões.

Renda Brasil: dinheiro do PIS/Pasep pode ser utilizado em novo Bolsa Família – entenda

Fim das deduções do IR em estudo

Além de unificar os programas sociais, o governo quer acabar com benefícios tributários para aumentar o caixa do Renda Brasil e garantir outros R$ 18 bilhões. Para isso, seria proposto o fim da desoneração de parte dos produtos da cesta básica, com potencial de arrecadação de R$ 4 bilhões.

Quando Bolsa Família vai liberar quarta (4ª) parcela do Auxílio Emergencial? Qual será o valor?

Só a desoneração desses itens custa R$ 1,17 bilhão por ano, segundo estimativa da Receita Federal. As deduções de IR (Imposto de Renda) com despesas médicas, com dependentes e alimentandos também estão na mira do governo e garantiriam outros R$ 4 bilhões. Os alimentandos são as pessoas para quem uma pessoa paga pensão alimentícia, como filhos ou ex-mulher.

Os dependentes são todas as pessoas que dependem financeiramente do declarante do IR, como mulher ou marido, e os filhos com até 21 anos, ou 24 anos se forem universitários, ou de qualquer idade se forem incapazes.

Renda Brasil (novo Bolsa Família) poderá pagar R$ 300 mais Auxílio-Creche de R$ 250

Tributação de fundos exclusivos

Outra medida em estudo pelo governo para custear o Renda Brasil é a tributação de fundos exclusivos. Esses fundos são usados por famílias ricas para fazer investimentos de longo prazo e concentrar toda a carteira de ações e de renda fixa em um único lugar.

Bolsa Família: quem recebe R$ 1.200 de auxílio continuará com esse valor?

A ideia do governo é obrigar esses fundos a recolher IR sobre os rendimentos a cada seis meses, como ocorre nos fundos comuns. Durante o governo Michel Temer, uma proposta semelhante foi enviada ao Congresso, mas o texto não avançou. A estimativa de arrecadação era de R$ 10,7 bilhões.

Governo deve enviar MP e PEC ao Congresso

Para mudar as regras ou extinguir o abono salarial, o governo precisa enviar uma PEC (Proposta de Emenda à Constituição) ao Congresso, já que o benefício é constitucional.

Beneficiários do Bolsa Família têm direito a 5 parcelas de Auxílio Emergencial?

As outras mudanças devem ser feitas por meio de uma Medida Provisória, que tem validade imediata depois da publicação. Mudanças no texto podem ser feitas pelos parlamentares, mas só valem após a aprovação e sanção presidencial.

Como as comissões da Câmara dos Deputados e o Senado Federal não estão funcionando para evitar aglomerações, não seria necessário enviar um projeto de lei.

Entretanto, essa decisão será da ala política do governo. Em meio ao debate sobre a criação do Renda Brasil, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), cobrou que governo envie uma proposta sobre o tema ao Congresso.

Mudança no Bolsa Família é motivo de alerta, diz senador – entenda

Segundo ele, isso é importante porque parlamentares já debatem a possibilidade de prorrogação do Auxílio emergencial até dezembro.

Fonte: UOL

PODE LHE INTERESSAR