26 países aderem veto a passageiros e voos brasileiros após nova variante

26 países aderem veto a passageiros e voos brasileiros após nova variante
26 países aderem veto a passageiros e voos brasileiros após nova variante. Foto: VINÍCIUS NUNES/ASI/ESTADÃO CONTEÚDO

26 países aderem veto a passageiros e voos brasileiros após nova variante

As restrições a voos vindos do Brasil ou à entrada de passageiros que estiveram recentemente no país já atinge 26 países, segundo levantamento feito com base em dados da Iata (Associação Internacional de Transporte Aéreo). Eles incluem os principais destinos dos brasileiros, como Argentina, Estados Unidos e Portugal.

As proibições começaram no ano passado, mas ganharam força em 2021, após ser constatada no Japão a variante brasileira da covid-19 em turistas que voltavam da região amazônica. Há países que, vendo que o Brasil vive uma piora na pandemia, já estão prorrogando decretos de suspensão – caso do Peru, que renovou veto no dia 28 de fevereiro.

>>Beneficiários do INSS terão 13º antecipado, declara ministro

As restrições ao Brasil atingem países de diferentes dimensões e partes do mundo. A Espanha, por exemplo, suspendeu em fevereiro voos do Brasil e mantém seus aeroportos abertos especialmente a países europeus. O mesmo vale para Portugal e Áustria. Além desses, Turquia e Madagascar têm restrições específicas a voos do Brasil.

O mais comum, no entanto, é haver restrições não a voos específicos com origem no Brasil, mas a passageiros que estiveram no país nas últimas semanas. São os casos de: Argentina, Estados Unidos, Reino Unido, Itália, Alemanha, Moldávia, San Marino, Arábia Saudita, Omã, Iraque, Paquistão, Japão, Ilhas Maurício, Hong Kong (região administrativa autônoma na China, que por sua vez proibiu estrangeiros em geral, com algumas exceções), São Martinho (ilha caribenha), Vaticano.

>>Bahia: governador anuncia abertura de mais 100 leitos para Covid-19

Há ainda casos de países com a restrição tanto para voos do Brasil como para passageiros que tenham estado no país recentemente: Peru, Colômbia, Holanda (passageiro precisa mostrar que governo autoriza entrada), Marrocos, Tunísia.

Alguns países criaram regras mais brandas e exigem a apresentação de exame ou a realização de novos testes após a chegada. Estão nessa lista de Croácia, Montenegro, Kosovo, Romênia, Ucrânia e Egito. As restrições às vezes atingem até a tripulação de voos vindos do Brasil, como na Noruega, onde as equipes das companhias aéreas estão sujeitas a testes.

Restrições no Brasil

Por sua vez, o Brasil também criou regras sanitárias para tentar barrar a disseminação da doença. Desde dezembro, passageiros de voos internacionais precisam apresentar um teste negativo de covid-19, feito até 72 horas antes do horário previsto para o embarque.

>>Projetos poderão ajudar famílias no período de crise da Covid-19

Foram vetados voos da África do Sul e do Reino Unido, países que também geraram variantes específicas do novo coronavírus. Também estão proibidos passageiros que tenham estado nesses locais nos últimos 14 dias, com exceção para cidadãos e residentes brasileiros. Nesses casos, é necessário apresentar teste negativo de covid-19 e realizar quarentena.

PODE LHE INTERESSAR