15 doenças que dão direito ao auxílio-doença e aposentadoria; veja como solicitar

Benefícios do INSS que não foram alterados pela Reforma da Previdência
Foto – Reprodução

O Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) garante o auxílio-doença ao trabalhador que se encontrar incapacitado temporariamente de executar suas atividades e prover seu sustento. O órgão também assiste aos que necessitam de uma aposentadoria por invalidez, ao trabalhador que não possui nenhuma condição de exercer qualquer atividade laborativa e também não consiga ser reabilitado em outra profissão.

>>Saiba como optar pelo saque aniversário do FGTS; veja para quem já está liberado

Auxílio-doença e aposentadoria por invalidez

Para começarmos explicaremos um pouco mais sobre o que é auxílio-doença e aposentadoria por invalidez.

O auxílio-doença como já mencionamos, é um benefício destinado a quem se encontra incapaz para o trabalho em decorrência de doença ou acidente por certo período de tempo. Porém, para ter direito é necessário realizar a perícia médica do INSS para atestá-la.

Quanto a aposentadoria por invalidez também é um benefício do Instituto é destinado ao trabalhador que se encontra incapaz. O que o difere do auxílio doença, a incapacidade precisa ser permanente e que também não consiga ser reabilitado em outra profissão, de acordo com a avaliação da perícia médica realizada pelo INSS. O benefício é pago enquanto persistir a invalidez e o segurado passa por reavaliação a cada dois anos.

>>Identificação de fraudes em benefício gera economia de R$ 4,5 bilhões

15 doenças incapacitantes

Listamos 15 doenças incapacitantes, contudo vale lembrar que caso o segurado tenha outro tipo de doença grave ele também poderá solicitar o pedido do auxílio-doença ou aposentadoria da mesma forma.

As doenças podem ocorrer em qualquer idade e por isso você também terá direito de solicitar os benefícios.

  1. Alienação mental: distúrbios da mente como, por exemplo, esquizofrenia, demência, depressão, paranóia e afins. Para isso seria necessário que a junta médica lhe examinasse para que você pudesse ser classificado como incapaz para a vida normal.
  2. Cardiopatia grave: consiste em uma doença crônica que tem por base o coração. Como esse mal atinge exatamente o coração, fica o segurado incapacitado para o trabalho ou qualquer esforço mais forte.
  3. Cegueira: esta pode acontecer por diversos motivos, mas em geral é causada por glaucoma, retinopatia diabética, retinopatia hipertensiva, entre outros males.
  4. Radiação por medicina especializada: alguém que tenha sido exposto à radiação e que por isso não possa fazer atividades da vida comum.
  5. HIV – síndrome da imunodeficiência adquirida: Popularmente conhecida como AIDS, a doença dá ensejo ao benefício por incapacidade do segurado de ter uma vida normal, já que fará uso de medicamentos para se manter vivo.
  6. Doença de Paget: esta doença é também conhecida como osteíte deformante. Em seu estágio avançado a doença incapacita os ossos e medula óssea. Doença incurável e crônica.
  7. Nefropatias graves: doenças que atingem os rins causando ao segurado incapacidade nas condições de trabalhar e ter uma vida normal. São, em geral, patologias de evolução do tipo aguda ou do tipo subaguda e crônica.
  8. Espondiloartrose anquilosante: doença que acomete a coluna vertebral e sacroilíaca. As vértebras se fundem umas às outras e isso causa dores e incapacidade de mexer com a coluna.
  9. Doença de Parkinson: é uma doença degenerativa que atinge o sistema nervoso central. É crônica e progressiva. Causa enrijecimento muscular e das articulações, além de tremores nos membros inferiores e superiores.
  10. Paralisia incapacitante e irreversível: a via motora é prejudicada de forma que a capacidade de mexer um músculo fica diminuída, e isso resulta em lesão destrutiva e degenerativa. Pode ser tetraplegia, paraplegia, entre outros tipos.
  11. Neoplasia maligna: doença que afeta as células corporais atingindo os tecidos. Também é conhecida pelo nome popular de câncer.
  12. Hepatopatia grave: de forma aguda ou crônica acomete o fígado levando o segurado ao risco de morte.
  13. Esclerose Múltipla: por questões ambientais ou genéticas essa doença é inflamatória e ao mesmo tempo crônica. Começa a dar sinais no sistema nervoso.
  14. Hanseníase: afetando a pele primeiramente, depois os nervos, essa doença é uma infecção crônica. Em grau avançado, há a perda de sensibilidade e o surgimento de manchas brancas pelo corpo todo.
  15. Tuberculose ativa: doença causada por uma bactéria acometendo os pulmões com febre, perda de peso e até a morte.

>>Mega-Sena pode pagar prêmio R$ 2,5 milhões neste sábado

Como solicitar?

Para solicitar o auxílio doença basta acessar o Meu INSS, realizar o login no sistema, escolher a opção “Agende sua Perícia”, no menu lateral esquerdo, em seguida  clique em “Agendar Novo”.

Lembrando que para primeiro pedido ou em “Agendar Prorrogação” para prorrogar o benefício.

Para acompanhar o andamento, basta acessar Meu INSS, na opção “Resultado de Requerimento/Benefício por Incapacidade”.

>>Bolsa Família já iniciou os pagamentos de fevereiro? Veja cronograma completo

Entretanto isso não basta, o segurado também precisa dirigir-se à unidade do INSS escolhida para realizar perícia médica ou, nos casos especificados, aguardar a perícia médica domiciliar ou hospitalar.

Acompanhe o andamento da solicitação e o resultado da perícia pelo Meu INSS na opção “Resultado de Requerimento/Benefício por Incapacidade”.

Documentos necessários para o auxílio-doença

  • Documento de identificação oficial com foto e número do CPF;
  • Carteira de trabalho, carnês de contribuição ou outros documentos que comprovem pagamento ao INSS;
  • No caso dos segurados empregados: declaração assinada pelo empregador, informando a data do último dia trabalhado;
  • Documentos comprovando o tratamento médico (atestados, exames, relatórios médicos, receitas médicas, etc).

>>MEC destina R$ 294,9 milhões às instituições federais

Sobre o INSS

INSS é uma abreviação de Instituto Nacional do Seguro Social, órgão do Ministério da Economia criado por Fernando Collor de Mello em 1990 com o propósito de operacionalizar o reconhecimento dos direitos dos segurados da Previdência Social. Ele é responsável por controlar e executar o pagamento das aposentadorias, além de gerenciar os benefícios para os contribuintes da Previdência Social.

Com Jornal Contábil

PODE LHE INTERESSAR